O que causa alopecia areata? Entenda tudo aqui!

Recentemente, durante a cerimônia do Oscar 2022, um assunto veio à tona: o que causa alopecia areata?

Isso porque, Will Smith, se exaltou diante de um comentário sobre sua esposa, Jada Pinkett Smith, que sofre de alopecia areata.

Alopecia areata corresponde a uma perda brutal dos cabelos ou de pelos em outras partes do corpo.

Saiba que não coloca a vida da pessoa em risco e nem provoca dor física. O único efeito é o psicológico, pois a maioria das pessoas associam os cabelos à área da beleza.

Continue a leitura e entenda tudo sobre alopecia areata, o que causa, quais os sintomas, tratamento…

O que causa alopecia areata?

A alopecia areata é uma doença autoimune que afeta de 1 a 2% da população e se caracteriza pela perda de todos ou parte dos pelos, geralmente do couro cabeludo ou do corpo.

Em outras palavras, o que causa alopecia areata provavelmente é uma reação autoimune, o que leva ao sistema imunológico destruir involuntariamente as próprias células do organismo, por considerá-las estranhas.

As células que o sistema imune ataca na alopecia areata são as células dos folículos pilosos.

Esse mecanismo autoimune poderia ser explicado porque há um acúmulo de linfócitos T CD8 em torno do folículo piloso, o que causa uma paralisia do desenvolvimento do cabelo e sua queda.

No entanto, os especialistas ainda não sabem porque o sistema imunológico ataca os folículos.

Outra possível causa da alopecia areata é de origem psíquica, como a ansiedade ou o estresse.

Para muitas pessoas, a alopecia areata é cíclica, o que significa que elas passam das fases de crescimento e perda dos cabelos.

Algumas delas podem conservar seus cabelos durante anos antes que eles caiam de novo, e outras podem apresentar um só episódio de alopecia areata.

Quais os fatores de risco da alopecia areata?

A presença da alopecia areata está ligada a alguns fatores:

  • Infeccioso;
  • Endócrino;
  • Genético.

Segundo alguns estudos, a presença de focos dentários infecciosos pode provocar uma alopecia areata, com uma perda localizada de cabelos.

Outros estudos mostram que há um risco elevado de desenvolver alopecia areata em pessoas que sofrem de asma, rinite alérgica, problemas de tireoide, anemia e síndrome de Down.

É essencial consultar um dermatologista para fazer o diagnóstico da alopecia e definir o tratamento mais adequado.

Assim como outras doenças autoimunes, a alopecia areata é imprevisível. Não existe nenhuma maneira de determinar quando os cabelos cairão, como cairão, quando nascerão e se permanecerão.

Quais os sintomas de alopecia areata?

Os primeiros sintomas da alopecia areata são geralmente pequenas placas bem delimitadas arredondadas ou ovais no couro cabeludo, totalmente desprovidas de cabelo.

A perda dos cabelos pode ocorrer no couro cabeludo ou em outras áreas do corpo, principalmente a barba e supercílios.

Além disso, a área da pele afetada tem um aspecto normal, não há inflamação, vermelhidão, descamação ou outras anomalias, o que a diferencia de outras alopecias.

As placas causadas pela perda de cabelo possuem geralmente um diâmetro entre 2 e 5 cm.

Os cabelos podem crescer em alguns meses, com a mesma cor e a mesma textura, e se for o seu caso, usar um reparador de pontas cabelo cacheado ajuda muito a evitar o ressecamento.

Às vezes, as unhas podem apresentar pequenas marcas ou pequenas depressões.

As perdas locais de cabelos observadas na alopecia areata podem ocorrer em alguns dias, ou se manifestar após semanas.

Quais os tipos de alopecia areata?

A alopecia areata pode se manifestar de diferentes maneiras. Veja aqui alguns deles:

  • Alopecia localizada: uma ou várias placas de perda de cabelo no couro cabeludo;
  • Alopecia na barba: uma ou várias placas de perda de cabelo nos pelos do rosto;
  • Ophiasis alopecia areata: perda de cabelo nos lados e atrás do couro cabeludo;
  • Alopecia total: perda de todos os cabelos do couro cabeludo;
  • Sisaipho alopecia areata: perda dos cabelos na parte debaixo da cabeça;
  • Alopecia areata incógnita: perda de cabelo difusa no couro cabeludo;
  • Alopecia universal: perda de todos os pelos do corpo, incluindo os do couro cabeludo, supercílios, cílios e os pelos do corpo.

Alopecia areata: qual o tratamento?

Perder os cabelos pode ser devastador, especialmente para as mulheres, porque provoca muito estresse e problemas psicológicos, agravando assim a situação.

Nesse caso, recomenda-se fazer uma terapia, de maneira a eliminar a fobia social e melhorar a qualidade de vida.

Na verdade, em apenas 10% dos casos os cabelos não crescem, mas a alopecia areata inferior a 5 cm, é reversível na maioria dos casos.

Você pode utilizar alguns produtos que podem estimular o crescimento dos cabelos, como comprar minoxidil ou usar uma loção à base de corticóide para aplicar por via tópica.

Hoje em dia, existem vários tratamentos, como o implante capilar ou micropigmentação do couro cabeludo, e sua viabilidade só será definida após uma avaliação médica.

Leia também: Quais as alergias tratáveis? Saiba aqui

Conclusão

Entendendo agora o que causa alopecia areata, e mesmo sendo imprevisível, é aconselhável assim que surgir os primeiros sintomas procurar logo um especialista, e iniciar o quanto antes o tratamento.