O que é condromalácia no joelho? Causas e sintomas

Você já fez uma pesquisa sobre o que é condromalácia no joelho e não entendeu o que realmente significa?

Basicamente, é um tipo comum de lesão no joelho onde há um desgaste na cartilagem da rótula (ou patela).

Afeta com mais frequência atletas de alto nível, principalmente os praticantes de saltos em altura e corredores.

Primeiramente, provoca um amolecimento da cartilagem, deixando-a mais frágil e vulnerável, em seguida, estalos ou fissuras podem surgir provocando fortes dores.

Em certos casos, o revestimento da cartilagem da rótula é totalmente destruído.

Se ainda está parecendo um pouco confuso, vamos explicar de uma forma mais clara e assim, você saberá não apenas do que se trata a condromalácia no joelho, mas também as causas, sintomas, tratamentos…

O que é condromalácia no joelho?

Quando a dúvida é sobre o que é condromalácia no joelho, nada mais é do que um desgaste da cartilagem do osso da patela (ou rótula), o qual está localizado na parte da frente do joelho.

A cartilagem protege os ossos ao nível das articulações, como a rótula e outros ossos da articulação do joelho.

Especificamente essa cartilagem, é a mais grossa do corpo, sendo capaz de receber cargas de até 6,5 vezes o peso corporal da pessoa ao longo de atividades físicas.

No entanto, com o tempo, isso pode acabar deteriorando a cartilagem, dando origem à condromalácia patelar ou condropatia.

E quando se fala em cartilagem, a recuperação é lenta, particularmente em adultos.

Vale mencionar que a patela tem o papel de distribuir melhor a carga e a força no joelho, sendo usada conforme o joelho dobra e estica.

Também chamada de síndrome da dor patelofemoral, pode ser classificada em 4 graus:

Grau I: ocorre um amolecimento da camada mais externa da cartilagem, podendo haver dor e inchaço;

II: surgem lesões pequenas na cartilagem, de até 1,3 cm de diâmetro:

Grau III: as lesões são maiores que 1,3 cm de diâmetro;

IV: o desgaste da cartilagem é tão grande que permite visualizar o osso subcondral que a sustenta.

Condromalácia no joelho: quais as causas?

Sabendo agora o que é condromalácia no joelho, quais as principais causas?

A causa principal é a sobrecarga mecânica na articulação patelofemoral, que, com o passar do tempo, pode desgastar a cartilagem.

No início, há um amolecimento da cartilagem, podendo surgir em seguida fissuras e erosões.

Quando falamos de sobrecarga do joelho, alguns fatores podem contribuir, como:

Atividades além da capacidade do joelho;

Fortalecimento inapropriado dos músculos dos membros inferiores, quadris e tronco;

Sobrepeso;

Lesões internas do joelho;

Formato do joelho, como joelho valgo e patela alta;

Movimentos errados;

Aumento da intensidade dos exercícios.

Durante muito tempo, a condromalácia era atribuída apenas aos atletas, por conta do nível de sobrecarga dos treinos, mas pode acometer também indivíduos sedentários.

Quais os sintomas da condromalácia?

Os sintomas da condromalácia patelar podem se assemelhar com outros problemas de joelho.

Por isso, é importante saber o que é condromalácia no joelho e seus sinais, a fim de limitar as possibilidades de complicações que podem ocorrer.

Portanto, quem sofre de condromalácia no joelho, pode apresentar dores:

Na parte da frente do joelho durante movimentos de extensão;

Ao subir e descer escadas;

Durante e após atividades físicas;

Ao ficar em pé depois de ficar um longo período sentado;

Ao usar sapatos de salto alto por muito tempo.

Além desses sintomas, pode surgir inchaço, estalos e ardência ao realizar certos movimentos.

Lembrando que, no início, a condromalácia pode não acarretar dores. Por isso, sempre que você sentir algo diferente no joelho, o melhor a fazer é consultar um ortopedista.

Condromalácia no joelho: como diagnosticar?

Para realizar o diagnóstico de condromalácia no joelho, além do exame clínico, o médico vai solicitar exames de imagem.

Um desses exames é a ressonância magnética, que permite avaliar a extensão das lesões, assim como a sua localização.

Por outro lado, as radiografias são úteis para auxiliar a verificar casos mais avançados, por exemplo, a presença de uma artrose.

Como tratar a condromalácia patelar?

O tratamento da condromalácia patelar é principalmente terapêutico, onde as técnicas de fisioterapia ajudam a aliviar as dores e fortalecer os músculos do quadríceps ou outros mais fragilizados.

Sendo assim, em alguns casos, medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos podem ser prescritos para reduzir a inflamação do joelho e as dores.

Por isso, dependendo da atividade física exercida e se observar uma piora na dor, recomenda-se dar uma pausa ou reduzir a intensidade, particularmente exercícios de impacto e agachamentos.

Portanto, em estágios iniciais, podem ser usadas bandagens e joelheiras em alguns casos, porém, nada substitui os exercícios de fortalecimento muscular.

É possível prevenir a condromalácia no joelho?

Felizmente, existem bons hábitos que permitem prevenir ou pelo menos os riscos de desenvolver uma condromalácia patelar, que são:

Substituir esportes mais agressivos para os joelhos por atividades mais leves, como a natação ou exercícios não convencionais;

Não exagerar nos exercícios, respeitando os períodos de descanso e recuperação;

Evite carregar excesso de peso;

Siga as orientações de um profissional ao praticar uma atividade física;

Priorize fortalecimento muscular, principalmente nos membros inferiores;

O uso de calçados adequados, com solas que permitam o amortecimento ou joelheiras também ajuda a diminuir o risco de condromalácia patelar.

Por isso, além de todas essas medidas preventivas, mais e mais pessoas têm se beneficiado da acupuntura para aliviar as dores em diversas partes do corpo, inclusive no joelho, e até como uma forma de evitar o seu aparecimento.

Conclusão

Sendo assim, agora que você já sabe tudo sobre o que é condromalácia no joelho, fique atento aos sintomas, e lembre-se que não é normal sentir dor.

Portanto, se por um acaso surgir uma dor na rótula, vale a pena consultar um médico ortopedista especialista em joelho para avaliar o quadro e indicar o tratamento adequado.

Leia também: Maus hábitos que podem arruinar o seu corpo depois dos 60 anos