As histórias de origem por trás de 5 marcas famosas

Como os super-heróis, as marcas famosas quase sempre têm uma grande história de origem. Ok, pode não ser sobre uma picada de aranha radioativa, mas muitas vezes não está muito longe. Brigas familiares, receitas ultrassecretas e coincidências bizarras enchem a história de algumas das empresas mais conhecidas do mundo.

Aprender sobre as origens de marcas famosas é uma ótima maneira de ter uma ideia para o processo de desenvolvimento da sua própria marca. Em parte método, em parte loucura, a arte de construir uma marca envolve encontrar exatamente os elementos certos para contar sua história.

De poltronas verdes a sapatos laranja e viagens ao zoológico, estamos mergulhando nas origens de cinco das identidades de marca mais icônicas do mundo – e as principais lições para aprender com cada uma.

1. Red Bull: 

O herói local Ubíquo entre os viciados em adrenalina, caminhoneiros de longa distância e atletas, a Red Bull dominou o mercado global de bebidas energéticas por décadas. Uma identidade de marca conhecida em todo o mundo, a abordagem agressiva e criativa da empresa ao patrocínio tornou o nome Red Bull sinônimo de tudo, desde a Fórmula 1, mergulho em penhascos, boates, snowboarding é um cara literalmente pulando do espaço sideral.

Mas nem sempre foi assim. A Red Bull uma vez levou uma vida humilde como estimulante para os trabalhadores de colarinho azul na Tailândia rural. Comercializado para trabalhadores mal pagos e motoristas de moto-táxi (que, presumivelmente, não estavam tentando desafiar as leis da gravidade e da sanidade como seus colegas norte-americanos), Krating Daeng foi a base para o que mais tarde se tornaria, você adivinhou: Red Bull .

A potente mistura de cafeína e taurina foi originalmente adaptada de uma receita japonesa popular pelo empresário chinês Chaleo Yoovidyha, que apresentou Krating Daeng à Tailândia nos anos 70.

Chaleo também desenhou o logotipo de Krating Daeng: dois bisões lutando em frente a um pôr do sol amarelo. Soa familiar? De acordo com o South China Morning Post, o logotipo ‘“ evocou o espírito vivo das touradas que há muito são populares em partes da Tailândia rural ”.

Corte para 1984: o comerciante austríaco, Dietrich Mateschitz, sofre de jet lag enquanto viaja pela Tailândia a trabalho. Por acaso, ele pega um frasco de aparência medicinal estranha com dois touros de luta nele. Seu jet-lag desaparece e a semente do que agora conhecemos como Red Bull é plantada.

Vendo o potencial da marca entre os foliões ocidentais e amantes de esportes radicais, Mateschitz abordou Chaleo com uma oferta para lançar a marca fora da Ásia. E o resto é história!

Enquanto Mateschitz atualizava a marca, ele se manteve firme em suas raízes. A Red Bull manteve o espírito de luta original de Krating Daeng, mantendo – entre outras coisas – o logotipo e o nome do bisão.

Lição: Marcas famosas têm raízes profundas em nossa psique. Não tenha medo de ser inspirado por uma ideia ou fórmula que já funciona – mas pense em como você pode melhorá-la em um contexto novo e mais amplo.

2. TD: The Green Chair

TD Bank é uma marca norte-americana icônica. Fundado em 1855 para atender à emergente indústria de grãos do Canadá, o The Bank of Toronto cresceu e se tornou um dos maiores bancos do mundo.

Embora a empresa tenha passado por várias iterações e fusões antes de se tornar o TD que conhecemos hoje, ela tentou ficar perto de um conjunto de valores orientadores que colocam o cliente na frente e no centro.

Um símbolo chave da marca TD, a pequena, mas poderosa cadeira verde agora é sinônimo do próprio banco. Pelas suas próprias estimativas, a média da máquina de conforto verde do TD tem um reconhecimento de marca de 86% entre os canadenses. No que diz respeito à mobília, isso torna esta cadeira muito famosa. No entanto, apesar de seu papel como peça central na identidade da marca da empresa por quase 20 anos, a cadeira quase não foi usada.

Em 2000, a TD tinha acabado de adquirir a Canada Trust. A empresa estava tentando fazer uma declaração ousada para o grande número de canadenses que se sentiram desvalorizados pelos próprios bancos que dependiam deles. Surge a agência de Toronto, Harrod and Mirlin, e a ideia de uma “metáfora habitável” – algo que representa conforto e familiaridade em um único olhar. Junto com a cadeira, a lista inicial incluía uma porta aberta, um par de chinelos confortáveis ​​e um cachimbo de fumantes.

Felizmente, porém, a cadeira venceu. Como um símbolo de marca, ele continuou a evocar a abertura e o relacionamento que a TD tenta ativamente buscar em seu marketing. A empresa atualizou recentemente seu estofamento icônico, substituindo o antigo slogan “O banco pode ser tão confortável” por uma cadeira nova e modernizada e o slogan “Pronto para você” de 2017.

Lição: os símbolos da marca – como aparecem em logotipos ou em anúncios e materiais de marketing – podem ser uma maneira eficaz de ajudar seus clientes a fazer uma associação positiva. Certifique-se de pensar cuidadosamente sobre como encontrar um símbolo que encapsule quem você é, mas também possa resistir ao teste do tempo.

3. Penguin: o pássaro dançante

Um dos logotipos mais icônicos já criados, o famoso pinguim dançarino se tornou o símbolo máximo de uma marca cuja história inclui reuniões de tabuleiro nu, viagens ao zoológico e um escritório em uma cripta.

A eclética editora britânica começou em 1934, quando o jovem editor Allen Lane se viu esperando um trem na Exeter St David’s e vasculhando a livraria da estação de trem em busca de algo para ler.

O que ele descobriu era caro ou medíocre. Percebendo uma lacuna no mercado por uma alternativa mais acessível e de alta qualidade, Lane e seus irmãos começaram a trabalhar.

Lane já havia discutido o uso de um logotipo de animal para a marca, mas foi só quando um datilógrafo sugeriu um pinguim como “digno, mas petulante” que Lane se decidiu. Apaixonado pela ideia, Lane imediatamente mandou o estilista Edward Young, de 21 anos, ao zoológico de Londres, onde o pinguim dançante finalmente apareceu.

Desde então, este passarinho de smoking passou por algumas pequenas revisões, incluindo a versão com a qual você provavelmente está familiarizado hoje. Atualizado por Jan Tschichold em 1964 e revisado em 2003 por Angus Hyland da Pentagram, o pinguim perdeu alguns quilos visivelmente.

Reduzir a marca em seu eixo vertical, explicou Hyland, permitiu que o logotipo fosse mais legível na lombada de um livro. Um ótimo exemplo de como considerar seu logotipo em seu contexto de exibição!

Lição: resumir sua marca em uma palavra ou frase é uma ótima maneira de esclarecer a direção criativa que você deseja seguir. Depois disso, você terá uma noção melhor das regras que governam a aparência de sua marca (incluindo o logotipo). Que palavras ou frases vêm à mente com sua marca?

4. Uber: A Jornada

Uber teve seu quinhão de voltas erradas ao longo dos anos (trocadilho de condução), mas é difícil negar que tem um dos veículos de marca mais impressionantes que existe (há outro!). Como todas as grandes marcas, o Uber partiu de uma experiência pessoal.

Em uma noite de neve de dezembro em Paris de 2008, Travis Kalanick e Garrett Camp estavam tremendo enquanto esperavam por um táxi. Nenhum veio. Apropriadamente, a empresa começou naquele momento como uma piada meio séria sobre pedir uma limusine particular por meio de um aplicativo. Depois daquela noite, Camp e Kalanick seguiram caminhos separados, mas a ideia ficou com os dois. Logo depois nasceu o “UberCab”.

Em março do ano seguinte, os dois co-fundadores desenvolveram o aplicativo e passaram a testá-lo em Nova York em 2010 usando apenas três carros. Retornando a Paris em dezembro de 2012, eles lançaram o Uber – exatamente três anos depois que o aplicativo foi concebido lá pela primeira vez.

A empresa cresceu exponencialmente desde então, revolucionando o significado das viagens ao longo do caminho. No entanto, um dos elementos mais inspiradores dessa jornada é a maneira como o Uber passou a contar sua história em cada elemento da marca. Toda a plataforma do Uber – do aplicativo ao tom de voz e design – é uma aula de branding.

Confira o microsite de design do Uber. É um ótimo exemplo de como destilar sua história de origem em sua própria marca, incluindo as molduras em forma de “U” e a animação do logotipo que se lê da mesma forma que um marcador de mapa faria. Toda a marca é uma metáfora visual dinâmica para o que o produto faz.

Lição: Pense criativamente sobre como você conta sua história em cada elemento de sua marca, tanto online quanto offline. Considere como aumentar os elementos de sua marca existentes em itens memoráveis ​​que transmitem quem você é e o que faz. Que outras oportunidades você tem para aprofundar a experiência do cliente com sua marca?

5. Monzo: o cartão Coral 

É raro ter metade da população conhecendo instintivamente sua marca apenas pela cor de um cartão de débito. Mas isso é exatamente o que a empresa Monzo do Reino Unido FinTech conseguiu.

Em apenas alguns anos, a criação de bancos alternativos tomou o Reino Unido como uma tempestade. Existindo na encruzilhada da tecnologia e da experiência do usuário, Monzo cresceu como uma resposta à crescente insatisfação do público com as formas existentes de banco.

Na esteira da crise financeira, a Monzo (originalmente chamada de Mondo até pesquisar um novo nome nos clientes) trabalhou arduamente para desenvolver uma identidade de marca baseada na transparência; desafiando grandes bancos sobre o significado do dinheiro na era digital. Agora, a empresa é um nome familiar – uma afirmação apoiada em seu site com o título: “55.000 pessoas abrem uma conta Monzo toda semana”.

Mas o ativo de marca mais famoso da empresa, seus cartões de débito em corais luminosos, não surgiu como uma decisão típica da marca.

O CEO de Monzo descreveu como o prazo de uma impressora fez com que a empresa pressionasse seu designer a fornecer as provas finais, faltando apenas uma hora e meia para terminar. Frustrado, o estilista sugeriu que eles também pudessem usar a cor de seus sapatos, um par de Nikes coral quente.

O CEO adorou e a cor pegou. Ironicamente, a cor do cartão tornou-se perfeitamente emblemática dos valores da marca Monzo: brilhante, diferente e luminoso.

Lição: Confie no processo criativo; esteja aberto a acidentes felizes ao explorar a identidade da sua marca! Lembre-se de que às vezes um pouco de pressão em prazos apertados é onde as melhores decisões podem ser tomadas. Não tenha medo de definir prazos para si mesmo para manter o ritmo e as grandes ideias fluindo.

Um ótimo design começa com pequenas ideias

As empresas que podem contar visualmente a história de quem são e o que fazem têm mais probabilidade de cativar os clientes e fazer uma conexão mais profunda com o tempo.

Revisitar seu início é uma ótima maneira de obter clareza sobre os rumos de sua marca. Pense por que você começou em primeiro lugar e como você pode retratar isso como uma mensagem, uma identidade visual e nas ações que você realiza como um negócio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *