História de Berlim

No local onde se localiza Berlim existia, em 1237, um povoado denominado Cölln próximo ao rio Spree. Em 1432, Berlim e Cölln foram unidos e em 1440, o Eleitor Friedrich II de Brandenburg, estabeleceu a dinastia Hohenzollern, que duraria até 1918. Em 1470, ele mudou sua residência de Brandenburg para Berlim, tornando a cidade mais importante.

Durante a Guerra dos Trinta Anos, a população de Berlim foi dizimada, mas a cidade ficou mais forte do que antes sob Friedrich Wilhelm em meados do século 17. Seu filho, Friedrich I, foi o primeiro rei da Prússia e, durante seu reinado, Berlim se tornou a capital. A cunhada de Friedrich I, Sophie Charlotte, desempenhou um papel importante no desenvolvimento cultural da cidade, apoiando as artes e as ciências e presidindo os círculos intelectuais da capital. Enquanto isso, seu marido, Friedrich II, famoso por seu pronunciado bom senso em política e assuntos militares, se dedicou a deixar sua marca construindo a cidade. Berlim na época ganhou o apelido de Spreeathen, a Atenas do Rio Spree.

O século 19 começou com a ocupação francesa (1806-1813) e as guerras napoleônicas. Os ideais do Iluminismo não foram realizados desde que a Revolução de 1846 foi sufocada. No entanto, a Revolução Industrial continuou seu curso e de 1850 a 1870 o número de habitantes de Berlim dobrou. Em 1900, depois que Bismarck uniu a Alemanha sob o governo do imperador Guilherme I, Berlim tinha quase dois milhões de habitantes.

Berlim já está acostumada a grandes mudanças, o que é ainda mais surpreendente se considerarmos que, comparada a outras cidades europeias, é relativamente jovem, com apenas nove séculos de história. Em 1871, o chanceler Bismarck fez dela a capital do Império Alemão recém-nascido ou renascido, apesar de ser mais uma cidade do que uma cidade. Demorou 50 anos para uma metrópole moderna começar a se formar, juntando outras sete cidades e quase 60 pequenos municípios. Foi a louca década de 1920 que o tornou tão famoso em todo o mundo, graças a seus arquitetos, cientistas, pintores e escritores.

Antes da Primeira Guerra Mundial, Berlim havia se tornado um gigante industrial, mas os eventos que se seguiram prejudicaram o desenvolvimento. Em 9 de novembro de 1918, Philipp Sheidemann, líder dos social-democratas, proclamou a República da sacada do Reichstag e horas depois Karl Lieknecht proclamou a República Socialista livre da sacada do palácio da cidade.

Década de 1920

A década de 1920 foi gloriosa. Berlim daquela época era uma das cidades mais modernas do mundo. A vida cultural era invejável; 149 jornais foram publicados, o rádio alemão foi lançado, filmes foram feitos e os melhores arquitetos, cientistas, pintores e escritores viveram aqui. Berlim foi uma festa que teve seu fim trágico com a chegada de Hitler.

Apesar de odiá-lo e desprezá-lo, Hitler fez de Berlim seu quartel-general, o que fez com que fosse quase completamente destruído pelo bombardeio dos Aliados de novembro de 1943 a março de 1944. Os soviéticos entraram na cidade após a Batalha de Berlim O próprio Chanceler decidiu mudá-la e, portanto, chamou o arquiteto Albert Speer para torná-la a capital do mundo. Alguns edifícios permaneceram dessa época, como o Aeroporto Tempelhof, o Estádio Olímpico de 36 ou a sede da estação de rádio do Terceiro Reich.

Depois da guerra, sua derrota e sua ruína total vieram a divisão em quatro setores e a construção de 155 quilômetros de muralha que foram sua vergonha por 28 anos. Então surgiu outra Berlim, a Ilha, aquele pedacinho da Alemanha Ocidental cercado pela Alemanha Oriental, a cidade dos rebeldes, as alternativas, os sonhadores, os refugiados políticos, os invasores do bairro de Kreuzberg. A cidade do protesto era ao mesmo tempo uma cidade mimada, nada faltava aos seus habitantes porque sair para procurá-la significava viajar pelo menos 300 quilômetros antes de chegar ao resto do país. De alguma forma, ela se tornou a capital secreta da cultura e da utopia. Sua artéria principal, a Kurfürstendamm ou Avenida dos Eleitores, mais conhecida como Ku’damm, tornou-se o coração da vida social e econômica da cidade.

Mas tudo isso acabou. Todas essas alternativas e posseiros tiveram que se mudar para bairros periféricos, porque uma vez que o muro caiu, o centro da cidade que eles habitavam está se tornando uma Berlim luxuosa, se refazendo em mais de 50%. Dificilmente encontraremos nesta área monumentos do pré-guerra, em seu lugar foram construídos hotéis, cafés, teatros, cinemas, restaurantes, galerias, bancos e, acima de tudo, lojas.

Mas se algo não está faltando nesta parte de Berlim, são os espaços verdes, e não apenas os parques e jardins da cidade. Berlim foi construída entre florestas, rios e lagos que ocupam quase dois terços de sua superfície. Tanto a natureza desempenhou um papel muito importante na vida dos berlinenses enquanto o muro ainda estava de pé, pois lhes dava a ilusão de poder deixar a cidade nas horas vagas. Sem essas florestas, muitos provavelmente não teriam resistido ao isolamento durante aqueles 28 anos em que Berlim não foi uma, mas duas. 

Por isso tudo se duplica e uma das tarefas de sua reunificação é reordenar duas prefeituras, duas óperas, dois aeroportos, duas galerias nacionais, duas estações centrais, dois museus egípcios e duas torres de televisão. A outra tarefa era reunificar os berlinenses orientais e ocidentais, alcançando oportunidades iguais, acabando com as diferenças econômicas e a desconfiança entre si, serão sem dúvida o mais difícil e o mais importante desafio da reunificação, não apenas de Berlim, mas de toda a Alemanha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *